Warning: implode(): Invalid arguments passed in /home/maeintegral/public_html/wp-content/mu-plugins/endurance-page-cache.php on line 463

Warning: implode(): Invalid arguments passed in /home/maeintegral/public_html/wp-content/mu-plugins/endurance-page-cache.php on line 463

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/maeintegral/public_html/wp-content/mu-plugins/endurance-page-cache.php:463) in /home/maeintegral/public_html/wp-content/plugins/wp-super-cache/wp-cache-phase2.php on line 60
Meu plano de parto. Veja como fazer o seu. – Mãe Integral

Meu plano de parto. Veja como fazer o seu.

Eu já falei sobre Plano de Parto por aqui e prometi publicar o nosso quando estivesse pronto.

Um Plano de parto serve pra deixar bem claro os meus desejos no que dizem respeito ao meu corpo e ao nascimento do meu bebê. Dessa forma, se houver algum contra-tempo e eu não puder ser atendida por nossa médica, o médico de plantão vai poder saber quais os procedimentos que eu optou por passar ou não.

Claro que o médico ainda terá o papel dele – o de cuidar para que meu bebê e eu passemos bem e sem riscos pelo processo do parto.

Como tivemos uma gestação muito boa, com um pré-natal bem feito e um excelente atendimento da nossa médica, eu sou o que os médicos chamam de gestante de baixo risco. Mesmo tendo quase 40 anos de idade, mesmo sendo meu primeiro bebê e mesmo eu não tendo o hábito de me exercitar com regularidade (tipo sedentária mesmo).

Muitos médicos me disseram que nessas condições eu sem dúvida teria um parto cesariana. Mas eu, como tantas outras mães, também me indignei com esse tipo de afirmação de médicos que nem sequer haviam visto meus exames – fui pesquisar sobre o assunto e descobri que a maioria das mulheres só não tem seus bebês de forma natural ou normal por causa da pressa, ganância ou até mesmo falta de informação dos médicos obstetras (!!!) acredita nisso! Eu que não quero ter meu bebê arrancado da minha barriga antes dele estar realmente pronto!!

Depois de passar por 3 médicos e submete-los a uma quase “entrevista de emprego”, encontramos uma ótima médica, que nos orientou muito bem sobre parto natural, resolvemos fazer tudo como manda o figurino e fizemos até o nosso Plano de Parto:

Tá copiado aqui igualzinho ao impresso que vamos distribuir lá na maternidade pra recepcionista, pro pediatra, pra enfermeira, vamos colar na porta do nosso quarto… enfim… vamos “gritar” pras outras mães que elas também tem esse direito 😉

:::

PLANO DE PARTO

Estamos cientes de que o parto pode tomar diferentes rumos. Abaixo listamos nossas preferências em relação ao parto e nascimento do nosso filho, caso tudo transcorra bem. Sempre que os planos não puderem ser seguidos, gostaríamos de ser previamente consultados a respeito das alternativas.

Trabalho de parto

  • Presença de meu marido e doula.
  • Sem tricotomia (raspagem dos pelos pubianos) e enema (lavagem intestinal). (Eu mesma vou fazer a depilação na minha depiladora de confiança porque no hospital eles raspam com lâmina de barbear)
  • Sem perfusão contínua de soro e ou ocitocina. (Eu prefiro que o hormônio ocitocina seja o do meu próprio organismo, que é muito melhor que o sintético fabricado em laboratório)
  • Liberdade para comer, beber água e sucos enquanto seja tolerado. (Eu não quero ser alimentada por soro intravenoso – que é o que eles usam nos hospitais. Assim eu também fico com liberdade para se movimentar)
  • Liberdade para caminhar e escolher a posição que quero ficar. (Tendo liberdade de movimentos, eu posso encontrar posições que amenizem o desconforto das contrações)
  • Liberdade para o uso ilimitado da banheira e/ou chuveiro. (No curso do Grupo Hanami, eu aprendi que a água quente faz milagres para aliviar dores e relaxar os corpo)
  • Monitoramento fetal: intermitente e não contínuo. (Nos hospitais a futura mamãe fica plugada na maquina que controla os batimentos cardíacos do bebê. Isso não é necessário se a gestante for de baixo risco, como é o meu caso. A nossa Doutrora vai escutar o coração do meu bebê de tempos em tempos, mas não vai ser contínuo)
  • Analgesia: peço que não seja oferecido anestésicos ou analgésicos. Eu pedirei quando achar necessário. A preferência é para métodos naturais. (Claro que eu tenho um baita medo dessa tal dor que todo mundo fala, mas vou optar por não tomar remédios porque eu sei que da mesma forma que meu bebê recebe tudo que eu como, bebo e os hormônios que libero, também recebe todo o medicamento que eu tomo)
  • Sem rompimento artificial de bolsa.

Parto

  • Na banheira ou de cócoras ou semi-sentada (costas apoiadas). Conforme minha vontade na hora.
  • Aceito outras sugestões caso as posições acima não funcionem.
  • Prefiro fazer força só durante as contrações, quando eu sentir vontade, em vez de ser guiada. Gostaria de um ambiente especialmente calmo nesta hora. (Aprendi em minhas pesquisas que fazer força para o bebê sair, além de doer muuuuito mais, ainda corro o risco de machucar bastante o tal do períneo. O segredo é que, quando meu bebê estiver na portinha, eu “segure a onda”, respire fundo, pense que ele já já estará comigo e, assim ele pode sair sozinho)
  • Não vou tolerar que minha barriga seja empurrada para baixo.
  • Episiotomia: prefiro não ter. Para prevenir laceração gostaria que o períneo fosse amparado na fase da expulsão, além da aplicação de compressas quentes e massagem com óleo fornecido pela doula. (Esses são alguns dos truques que as japosesas láááá no Japão usam pra proteger o períeno)
  • Gostaria que as luzes fortes fossem apagadas (penumbra) e eventualmente ter música relaxante e que o ambiente estivesse com temperatura que eu julgue agradável. Quero um ambiente calmo e tranquilo para meu bebê nascer. (Optei por não fazer o parto em casa mas eu quero que a sala de parto fique o mais aconchegante possível pra que eu possa realmente relaxar e receber meu bebê nos braços com tranquilidade)
  • Gostaria de ter o bebê imediatamente colocado em meu colo e se houver necessidade de succionar as vias respiratórias, prefiro que o profissional faça enquanto o bebê está comigo. (Nem pensar em tirar meu bebê de perto de mim quando ele sair. O tempo que ele ficar comigo é super importante pra ele terminar o processo de maturidade com os hormônios que ainda são liberados nesse momento)
  • O pai cortará o cordão umbilical, depois que parar de pulsar. (Com o cordão umbilical ainda pulsando o bebê recebe oxigênio e hormônios fundamentais pra esse momento e ainda tem a possibilidade de aprender a respirar o ar sem que isso lhe cause dor)

Após o parto

  • Aguardar a expulsão espontânea da placenta, sem manobras, tração ou massagens. Se possível com auxílio da amamentação. (Sabia que quando o bebê mamo a primeira vez, o útero da mãe tem contrações que expulsa a placenta de forma natural e segura?)
  • Quero o bebê comigo o tempo todo, mesmo para exames e avaliação. (Pra essas avaliações que o pediatra faz nesse primeiro momento não precisa que o bebê esteja longe da mãe. Ele pode fazer com o bebê no colo da mãe. Assim ele fica mais calminho e até facilita o trabalho do médico)
  • Liberação para o apartamento o quanto antes com o bebê junto comigo.
  • Alta hospitalar o quanto antes.

Cuidados com o bebê

  • Administração de nitrato de prata ou antibióticos oftálmicos se necessário. (Alguns antibióticos podem ser necessários para o bebê num primeiro momento. Nesse caso em particular é pra evitar infecções no bebê por causa da candidíase)
  • Administração de ingeção de vitamina K. (O fígado do bebê não está 100%, então pra evitar hemorragias ele precisa também tomar uma injeção de vitamina K)
  • Quero fazer a amamentação sob livre demanda. (Ou seja, o bebê pode mamar até estar saciado)
  • Em hipótese alguma, oferecer água glicosada, bicos ou qualquer outra coisa ao bebê. (Eu levo a sério esse papo de “apenas leite materno nos primeiros 6 meses de vida”)
  • Alojamento conjunto (com bebê e com o pai) o tempo todo.
  • Gostaria que o bebê não tivesse retirado de seu corpo todo o vernix e que o primeiro banho fosse adiado. (Esse vernix é aquela coisa meio branca e pegajosa que alguns bebês tem quando nascem. Isso na verdade é proteina pura e a pele do bebê absorve o restinho que ficar. Não preciso tomar um banhão completo assim logo de cara)
  • Pediatra faz avaliação no nosso quarto. (Depois que estivermos no quarto, todos descançados e refeitos de tanta emoção, o pediatra pode entrar e fazer o resto dos exames)

Caso a cesárea seja necessária

  • Exijo o início natural do trabalho de parto antes de se resolver pela cesárea. (Em alguns casos a cirurgia cesariana é mesmo necessária. Mas no meu caso é a última opção, isso se houver alguma emergência… e de qualquer forma, ela gostaria que o processo do parto começasse naturalmente)
  • Quero a presença da doula e de meu marido na sala de parto.
  • Anestesia: Gostaria de ser consultada sobre as melhores opções conforme o caso. Não quero sedação em momento algum. (Eu quero usar meu direito de escolha. O anestesista diz as opções viáveis e suas consequências e eu escolhe)
  • Na hora do nascimento gostaria que o campo fosse abaixado para que eu possa vê-lo nascer.
  • Gostaria que as luzes e ruídos fossem reduzidas e o ar condicionado desligado.
  • Após o nascimento, gostaria que colocassem o bebê sobre meu peito e que minhas mãos estejam livres para segura-lo.
  • Gostaria de permanecer com o bebê no contato pele a pele enquanto estiver na sala de cirurgia sendo costurada e enquanto o pediatra estiver examinando.
  • Também gostaria de amamentar o bebê e ter alojamento conjunto o quanto antes.

Agradecemos muito a equipe envolvida e a ajuda para tornar esse momento especial e tão importante para nós em um momento também feliz e tranqüilo, como deve ser.

Local e data,

Assinatura dos pais

:::

Bem… esses são nossos planos para o nascimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *