Warning: implode(): Invalid arguments passed in /home/maeintegral/public_html/wp-content/mu-plugins/endurance-page-cache.php on line 463

Warning: implode(): Invalid arguments passed in /home/maeintegral/public_html/wp-content/mu-plugins/endurance-page-cache.php on line 463

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/maeintegral/public_html/wp-content/mu-plugins/endurance-page-cache.php:463) in /home/maeintegral/public_html/wp-content/plugins/wp-super-cache/wp-cache-phase2.php on line 60
Porque eu prefiro parto natural – Mãe Integral

Porque eu prefiro parto natural

Fui inspirada pelas muitas gestantes que optaram por serem mais donas do seu nariz, mais ativas – e optaram pelo parto natural.

E pensar que eu consultei outros médicos (antes de escolhermos a nossa Dra. Roxana Knobel), e eles disseram de cara, sem fazer nenhum exame nem nada, que a melhor opção de parto pra mim seria uma cesariana. Absurdo né? 

O momento de dar à Luz - arquivo pessoalFoi pela Renata Penna, que escreve para o Blog Mamíferas,  que eu ouvi falar pela primeira vez em parto natural. Até então eu achava que só existiam dois tipos de parto: o normal e a cesariana. E cesariana eu não queria de jeito nenhum.

Outra pessoa que falou em parto natural pra mim foi uma mãe novinha em folha, paciente da nossa doutora,  que estava na sala de espera do consultório. Eu puxei papo com ela (numas de “investigar”), perguntando sobre como tinha sido o parto e tal. Então a moça respondeu toda sorridente que havia sido parto natural, na maternidade e que não doía tanto quanto dizem.

Daí quando entramos no consultório, eu confidenciei pra nossa obstetra que estava vendo com bons olhos a possibilidade do parto natural ao invés do normal. E a nossa doutora tirou várias dúvidas que eu e o maridão (sim, maridão sempre junto nessas horas tbém porque eu não engravidei sozinha), tínhamos sobre o assunto e também indicou onde nós podíamos pesquisar mais e nos informar sobre partos naturais.

Foi ai que fomos fazer o curso de gestante do Grupo Hanami e, entre outras coisas, o maridão e eu aprendemos que num Parto Natural, tudo acontece a seu tempo, no ritmo que a natureza manda. Hormônios diferentes são liberados, em mim e no meu bebê, a cada etapa do parto. E meu bebê precisa passar por todas essas etapas pra completar o seu ciclo de amadurecimento.

Por exemplo, quando o trabalho de parto começa, meu corpo libera um hormônio que tem relação com a sensação de prazer e amor que os médicos chamam de ocitocina. Pra se ter uma ideia, os homens só conseguem ter uma descarga de ocitocina quando têm um orgasmo numa relação sexual.

Numa gestante em trabalho de parto, a ocitocina, junto com a endorfina, facilita a passagem do bebê pelo buraquinho lá embaixo – a pelve –  já que essa sensação de prazer que a ocitocina/endorfina causam, faz com que a mulher se sinta feliz e relaxada. E quando estamos relaxadas, a pelve não é ‘maltratada’ pela tensão e é capaz de se alargar com mais facilidade, sem causar lesões. Daí meu bebê pode passar sem me machucar 😉

Claro que num parto natural de verdade, a gente  não tem aquele médico estressado, com pressa de chegar no churrasco que marcou com os amigos e que fica mandando a gente fazer força para o bebê sair logo. Isso é o que machuca as mamães, isso é que as deixa nervosas e travadas.

Quando o bebê estiver passando pela pelve, se eu estiver tranquila e relaxada, pode ser até que eu sinta prazer. Um prazer que pode até ser um prazer sexual. Parece estranho ter prazer sexual na hora do parto, né? Já que a primeira coisa que se pensa são nas tais dores. Mas quando o bebê estiver saindo, pode ativar pontos de prazer que nem sempre são atingidos pelo pênis. E é ai que o hormônio da satisfação – a dopamina – entra em ação.

Assim que o bebê conseguir sair completamente fora do meu corpo, o ideal é que ele venha direto pro meu colinho, pra sentir meu cheiro, pra lamber meu mamilo… Isso faz com que meu organismo libere o hormônio responsável pelo início da ‘fabricação do leite’ e pelo vínculo afetivo (a tal da prolactina).

O cordão umbilical só deve ser cortado quando parar de pulsar, porque assim o bebê ainda recebe  o oxigênio e os hormônios que eu estou produzindo, e assim ele também ainda tem tempo para aprender a respirar de uma forma menos traumática.

Todos esses hormônios que o meu corpo libera, o bebê recebe também (assim como receberia anestesias ou remédios) afinal, ele ainda está ligado a mim. Nós formamos uma simbiose, que vem desde o momento da concepção.

Bem, por essas e outras descobertas é optamos por deixar nosso filhote vir ao mundo de forma natural, numa maternidade que respeita a nossa opção, com a ajuda da nossa obstetra preferida e das nossas queridas doulas.

Até fizemos um Plano de Parto pra deixar bem claro nossas decisões.

Não sabe o que é, ou como fazer um plano de parto? Então leia Meu plano de parto. Veja como fazer o seu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *